sábado, 28 de julho de 2007

Africa do Sul - Kruger Park - A parte Norte


A norte do Trópico de Capricórnio altera-se, substancialmente, a paisagem. As formações graníticas do sul e a savana do centro, dão aqui lugar a um terreno seco, arenoso e a uma comunidade diversificada de plantas que se caracteriza por não ter qualquer tipo dominante. No topo norte corre o enorme rio Limpopo, cujas cheias galgam as margens, subindo até aos 12m, alagando todas as planícies a leste, em Moçambique. No ano 2000 as cheias foram de tal modo dramáticas que todo o norte do Kruger foi encerrado, durante 8 meses, até as águas recuarem até níveis transitáveis. No topo leste, encontra-se o posto fronteiriço de "Pafuri". Após uma breve incursão a pé, são imediatamente evidentes as enormes diferenças entre ambos os países. Do lado moçambicano as estradas têm crateras imensas, alguns troços estão intransitáveis, as comunicações móveis não têm viabilidade fora das grandes cidades, sendo melhor, por todas estas razões, reconsiderar a hipótese de conduzir dali até Maputo, pois arriscamo-nos a ficar pelo caminho.
Mesmo ao lado do posto fronteiriço de Pafuri, no vértice onde confluem os rios Limpopo e Luvuvhu (na imagem), encontram-se três países: a África do Sul, Moçambique e o Zimbabwe (antiga Rodésia). Neste local encontramos um lugar histórico conhecido como "Crooks' Corner". O local ficou famoso, nos finais do séc: XIX, pois era uma zona privilegiada de tráfico e contrabando. Nesses tempos, era relativamente fácil contornar a lei e transitar pelos territórios vizinhos sem se ser detectado. O "Crooks' Corner" ficou conhecido como o paraíso dos contrabandistas. Por aqui passava o marfim ilegal, as armas e trabalhadores assalariados, recrutados de forma clandestina. Entre os contrabandistas mais famosos conta-se Stephanus Barnard, um traficante de marfim que acabou por ser um dos responsaveis pela construção da maior parte das estradas que conduziam a este local histórico. Por perto, havia ainda, nessa época, um grande depósito de marfim. Aí, negociava-se clandestinamente o ouro branco que, posteriormente, dali seguia para os mercados da costa. Nesta zona norte, há uma calma e uma tranquilidade que até aqui não tínhamos encontrado. Só raramente se avistam animais, a água escasseia e apenas à volta do "Punda Maria Camp" (na imagem), onde pernoitámos, conseguimos ver algumas impalas e kudus. O acampamento é dos mais antigos do Kruger, mas é também dos mais pequenos. A densidade de turistas aqui contrasta com o movimento intenso que vimos no extremo sul. Poucos se aventuram até estas terras do Norte, daí que tenhamos experimentado aqui uma calma até aí nunca sentida. As estradas são quase desertas e, por vezes, temos a sensação que chegamos ao fim do mundo. Aqui, só de vez em quando avistamos um carro, o qual saudamos com entusiasmo. A paisagem que mais me fascinou foi a que encontramos em redor do rio Limpopo. Aí, as árvores são altíssimas, de copas densas, com lianas que pendem dos ramos. A densidade das copas é tão grande que entrelaçam-se umas nas outras, com caracteristicas de uma verdadeira floresta tropical, com zonas de quase escuridão em pleno dia e uma neblina, feita de vapor de água, que paira no ar.É nesta zona norte que se encontram o maior número de baobás de todo o Parque. O solo é arenoso, de um tom encarniçado, acreditando-se que tenha a sua origem nas areias depositadas pelos ventos fortes que, em maré de tempestades, provinham do Deserto do Kalahari. É aqui que se localiza a faixa que é denominada como a "Cintura do Limpopo", constituída pela união entre as placas tectónicas que ligam a África do Sul à África Central, e que se estende até ao Blyde Canyon que fica a alguns kilómetros para oeste. Fotogrs: CRV

2 comentários:

Olga disse...

This part of Kruger definitely sounds interesting. It must be a great experience to feel that you are alone and enjoy the calmness in the middle of the African savanna. I really envy his experience! I love the baobab picture - it very well portrays what you described. TI, I'm looking forward to more stories of your African adventure :) These are definitely not all the birds and animals you were lucky to see and not all the wonderful pictures you have! A big hug :)

Viagens pelo Mundo disse...

Hi Olga,
This north part f Kruger’s was really my favorite. It’s almost desert. Most f the tourists don’t come so much north. In the far top I found a rain forest like in Brazil, so dense and so beautiful. It was strange beau cause we saw lions there under a tree and lions have nothing to do with rain forests. It’s a funny mixture where we are being always surprised by something different. The “Punda Maria” camp is the smallest of Kruger and is decorated on the same way as it was built, on the 40’s. We’ve made a morning drive at 6.00 a.m. and we followed a leopard footprints, it was very exciting to go with the guide following these steps, the kids loved it. Thanks for showing up.A hug TI