domingo, 14 de outubro de 2012

Brasil - Entardecer em Carapibús


Carapibús - CRV© 
Carapibús - CRV©

Aos poucos, a luz vai-se desdobrando num tranquilo final de tarde. Esbatem-se os contorno e as coisas transformam-se em vultos, adensando as sombras em redor que parecem crescer sobre nós, transportando-nos desta latitude para uma outra dimensão da realidade. 

O entardecer em Carapibús percepciona-se como uma daquelas combustões da natureza com a qual traçamos laços na nossa biografia. Ao fundo, o mar, a preencher o horizonte ao modo de anfiteatro, completando todas as partes côncavas do recife que contorna a solidão da praia. Uma brisa quente, quase agreste, costuma acompanhar a descida do dia, erguendo pequenas nuvens de areia que se aninham junto aos limos, à beira-mar. Ao longe, os vultos vagarosos e indolentes dos últimos banhistas abandonam a praia. À medida que se afastam, tomam-lhe o lugar, bandos de pássaros e gaivotas irrequietas que procuram, na linha de água, alguns crustáceos solitários que ali chegaram enrolados na tirania oscilante dos limos. Vultos de caranguejos minúsculos invadem a praia. Aparecem de todo o lado, brancos, de pinça afiada, sem quaisquer afinidades colectivas, pois é cada um por si, sem subserviências ou autoritarismos desenfreados. Correm, histericamente, desde as suas tocas até aos rolos de limos à beira mar e procuram aí, algum minúsculo cadáver insepulto que possam transportar, silenciosamente, até ao seu refúgio no xadrez do areal. 

Agarrei a areia fina, como se agarrasse o tempo dentro de uma ampulheta e não o deixasse avançar. Com a noite a aproximar-se, e a escuridão a girar com formas brilhantes e suaves sobre as palmeiras, observei, com os olhos quase cegos, os contornos amplos daquele espaço aberto. A beleza propaga-se pelas nossas artérias, com uma enorme serenidade, quando as imagens que percepcionamos são desprovidas de qualquer ambiguidade ou complexidade. Deitada, numa profusão de areia fria, coloquei os olhos fixos no céu e comecei a acompanhar o rasto claro das estrelas.
Carapibús - CRV©

Sem comentários: